Questo sito usa cookie per fornirti un'esperienza migliore. Proseguendo la navigazione accetti l'utilizzo dei cookie da parte nostra OK
ambasciata_brasilia

ESPETÁCULO DE TEATRO DE BONECOS “HISTÓRIAS DE PULCINELLA”, DE E COM BRUNO LEONE

Data:

08/11/2017


ESPETÁCULO DE TEATRO DE BONECOS “HISTÓRIAS DE PULCINELLA”, DE E COM BRUNO LEONE

No dia 7 de novembro, junto ao teatro da Escola Parque 308 Sul, foi apresentado o espetáculo de teatro de bonecos “Storie di Pulcinella” (Historias de Pulcinella), de e com Bruno Leone, artista e mestre marionetista italiano. Foram oferecidas três apresentações totalmente gratuitas do mesmo espetáculo, para 532 alunos dos anos entre o 1º e o 5º das escolas da rede pública da capital.

O espetáculo foi realizado com o patrocínio da Embaixada da Itália em Brasília, com a colaboração da Escola Parque 308 Sul.

As apresentações do dia 7 de novembro, reservadas aos alunos da rede pública, representaram a única etapa do artista e do espetáculo em Brasilia. O artista chegou à capital vindo de Santarém: na primeira semana de novembro, navegando pelo rio Arapiuns, Bruno Leone apresentou “Storie di Pulcinella” entre os índios da região fronteiriça entre Pará e Amazonas.

 

BRUNO LEONE
Mestre dos Bonecos

Bruno Leone aprendeu a arte dos bonecos (“Guarattelle”, em dialeto napolitano) com Nunzio Zampella, último grande mestre em Nápoles deste tipo de arte, que afunda suas raízes na arte dos bobos de corte e dos saltimbancos medievais. Aconteceu em 1978, quando Bruno Leone tinha 28 anos de idade e sua profissão era a de arquiteto junto à Prefeitura de Nápoles. Foi assim que Bruno Leone largou a profissão de arquiteto e dedicou-se integralmente a manter viva esta tradição, tanto na Itália quanto no exterior, levando seus espetáculos em cada canto do planeta, inclusive, no Brasil.

Através da personagem napolitana por excelência, Pulcinella, resgatada por Leone, o artista sabe conjugar memória e atualidade numa linguagem universal, cutucando a imaginação de baixinhos e adultos do mundo inteiro. Com efeito, embora os espetáculos sejam em dialeto napolitano, isto não impede sua compreensão, inclusive, por parte de uma platéia estrangeira.


787